Tags

, , , , , , , , , ,

Ainda menino, já ouvia meus pais, parentes e vizinhos reclamarem da “roubalheira” do mundo da política. Falava-se abertamente, como ainda se diz hoje, e lá se vai mais de meio século. Na infância eu já matutava comigo: de quem é que se rouba.

Hoje, posso bem compreender porque se rouba há tanto tempo sem parar. Uma ação continuada, perene, inesgotável, que se reinventa ao longo do tempo, um monstro que se realimenta pela impunidade. Tanto roubo, por tanto tempo, nos induz a um raciocínio elementar: as vítimas têm baixa capacidade de se defender.

Vamos mostrar aqui no nosso Blog que a citada “roubalheira nacional” não se atém apenas ao mundo da política. Tem-se articulações que atuam de forma a estabelecer sólidos consórcios entre a política, o mundo empresarial, a justiça e a mídia. Bastaria um desses elos se desprender para quebrar uma estrutura que deve ser responsabilizada pelo fato do nosso País ser um dos mais desiguais do mundo, a despeito de ser muito rico.

A impunidade é o combustível que toca essa máquina geradora de subcidadania. Explicando: impunidade para homens brancos bem-nascidos ou bem postos na sociedade. Não deixa de ser verdade que a impunidade, nos últimos tempos, vem sendo quebrada em parte, mas se fôssemos prender todos os chamados criminosos do colarinho branco os encarcerados, cerca de 700 mil, teriam que abrir espaços, pois faltariam cadeias.

17016133

Presos rebelados na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte

Algumas personas têm sido presas e após algum tempo, mediante delação premiada, com “direito” à tornozeleira, são liberadas para ficarem em suas confortáveis casas – algumas são verdadeiros clubes – bebendo vinho e vendo Netflix.

Fala-se em roubos e em ladrões, mas quase nunca se fala sobre quem, afinal, é roubado! É preciso demonstrar como o mundo dos negócios e da política se retroalimentam de forma a lesar profundamente grande parte da população ocasionando a subcidadania crônica que maltrata o Brasil profundo, de carne e osso e como a mídia acaba sendo o cão de guarda dessa sinecura secular.

A princípio, rouba-se do Tesouro Público (Federal, Estadual ou Municipal). O Tesouro Nacional sempre foi um cofre aberto para diversos aproveitadores da iniciativa privada em conluio com agentes públicos. Há muito tempo a gestão desse campo tem sido entregue a banqueiros e empresários travestidos de secretários e ministros que mantêm escancarado as burras públicas; espécie de raposas zelando pelo galinheiro. A drenagem de dinheiro se dá pela sonegação pura e simples, pelas concorrências fraudadas e superfaturadas, pelos financiamentos a juros generosos, pelas isenções fiscais seletivas, pela gestão kamikaze das empresas públicas e pelas concessões altamente lucrativas; tudo guarnecido por uma mídia dependente de publicidade (privada e governamental) e de concessões do setor público.

Quando se deixa de recolher impostos pagos pelos cidadãos-consumidores, ou quando uma obra que vale 200 milhões recebe o dobro desse valor, ainda quando concorrências são viciadas, remédios são superfaturados, empréstimos públicos são concedidos com juros generosos a empresas sem nenhum compromisso público ou ainda quando políticos invadem empresas e bancos públicos nomeando “gestores” a soldo de seus interesses, acaba se tendo farta drenagem de recursos (dinheiro público) que vão enriquecer famílias e grupos. Tal enriquecimento que ocorreria em função do próprio sistema capitalista, nesse caso é maximizado de forma a potencializar fortunas da fauna que rouba o Brasilzão desde sempre. Ora esses desvios se dão em detrimento de quem? Quem perde em sua vida por isso, afinal?

teleferico-complexo-alemao-06

Teleférico da Favela do Alemão

Afirmar que o roubo é contra a população brasileira; a rigor não seria errôneo. Porém, o rol de maldades que inferniza a vida dos brasileiros incide de maneira seletiva e não homogênea como algumas narrativas simulam. As creches e escolas infantis não construídas, tão importantes para a formação de uma pessoa, a escola fundamental em período integral, os postos médicos e hospitais de qualidade, as políticas preventivas de saúde, a ausência de saneamento básico – suma vergonha de um país rico -, a ausência de consistentes políticas habitacionais e agrícolas de cunho popular e, finalizando, a absurda qualidade do transporte coletivo são fatores que oneram diretamente aos mais pobres e necessitados.

Como se sabe a pobreza no Brasil tem cor e procedência – todos os estudos internos e externos confirmam isso: IPEA, PNUD, IBGE, Banco Mundial etc. Ainda assim, todo o clamor do dito campo progressista no presente momento de regressão de direitos, quase nunca traz à tona esse singular aspecto que é notado por todo estudioso estrangeiro que se detém a decifrar o País do futebol e das favelas. O que alguns analistas denominam “maioria desorganizada” são os descendentes de escravizados e indígenas. Quando se clama contra o “desmonte do país”, não se identifica os perdedores principais dessa tragédia. As escolas particulares, os planos de saúde, os automóveis e os condomínios onde balas não se perdem, são bens e espaços onde a esmagadora maioria negra não chega, evidenciando que o desmonte é engendrado contra essa massa preferencialmente. O Brasil tem sido reiteradamente saqueado de forma tão impune porque os espoliados erm sua grande maioria são negros (pretos + pardos). Assim como são aqueles que morrem por homicidios e são ainda a esmagadora maioria dos encarcerados no indecente sistema prisional brasileiro.

Fui durante muito tempo um ativista que buscou dialogar com a sociedade – sistema político, judiciário, mídia, mundo empresarial e intelectual -, mas reconheço que chegou um momento de operar noutro patamar. A rigor, na maioria das vezes, estivemos em nossas lutas por nossa própria conta e risco; com o silêncio de parte importante da intelectualidade e partidos, mas sempre com a mídia em oposição feroz.

O desmonte dos direitos sociais feito em escala alucinante: precarização do trabalho, reforma trabalhista e previdenciária, congelamento dos investimentos em Educação e Saúde, são petardos armados contra a já combalida (sub) cidadania negra.

3 Poderes

Três Poderes – Palácio do Planalto, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal

O tamanho do desastre requer considerar a possibilidade de desobediência civil face à completa desmoralização das autoridades que ao longo do tempo usurparam e/ou permitiram que os recursos que potencializariam a cidadania não cumprissem seu sagrado papel. Essas forças em uníssono – não necessariamente acordadas entre si, em covarde, mas não inocente silêncio – produziram um País rico habitado por massas de empobrecidos. A desigualdade é o galardão dessa gente. Eles a produziram com zelo ibérico contra negros e índios. A absoluta ilegitimidade dos entes políticos que presentemente desenvolvem uma agenda regressiva no País (contra os interessess das maioriais) se configura pelo elementar fato de que nenhum deles foi eleito propondo tais medidas. Trata-se de traição àqueles que os empoderaram com o mandato pelo voto popular. Nada pode ser mais nefasto do que isto para uma democracia: o representante operar contra o seu representado.

A população negra representa 53% da população brasileira. Esse público ainda não foi às ruas, mas precisa explicitar que o golpe parlamentar personifica não apenas golpistas, mas, sobretudo, racistas. Temos de construir nossas agendas específicas já. 2018 ainda está longe, mas negros não domesticados por partidos precisam se posicionar radicalizando na democracia que nunca existiu em Pindorama. Nossa agenda tem de influenciar as políticas macroeconômicas. A juventude e as mulheres têm de estar no centro desse embate em virtude de serem os sub-grupos mais vulneráveis em nosso segmento.

Como sempre intui: somos os derradeiros subversivos do Brasil. Temos de construir uma nova ordem onde a igualdade de oportunidades seja a essência do regime a ser conquistado. Mais uma vez seremos parte da solução, jamais o problema. Vamos democratizar o Brasil.

black youth

Vamos democratizar o país?

Anúncios